terça-feira, 13 de setembro de 2005

De Benedita a FHC



Sebastião Nery
Tribuna da Imprensa
11 de novembro, 2003


Carlos Castelo Branco ético e cético, dizia que falar em "ética na política" seria como falar em "estética na política" contra feios na vida pública.
Mas não é por isso que os políticos estariam dispensados da ética. Agora, é oficial.
O mais categorizado porta-voz tucano na imprensa, Merval Pereira, contou domingo no "Globo": "O ex-presidente Fernando Henrique estará em Washington até o fim do ano, com uma bolsa (!) da Biblioteca Nacional (!) para escrever um livro". Está lá desde setembro e só volta em janeiro. Biblioteca Nacional Por causa de R$ 4,5 mil reais de duas passagens oficiais de avião para ir a Buenos Aires participar de uma "oração" em um congresso evangélico, quase a ministra Benedita da Silva ("mulher, negra e favelada") foi apedrejada em praça pública, como se faz na Nigéria. E quem comandou o coro do apedrejamento "ético" foi o PSDB de FHC.
O brilhante e dançante ministro da Cultura, Gilberto Gil, e o bravo e pugiloso líder tucano no Senado, Artur Virgilio, estão no dever de explicar ao País, hoje mesmo (nem um dia a mais), essa história da bolsa de Washington.
Como foi que a Biblioteca Nacional, órgão público do Ministério da Cultura, concedeu uma bolsa de quatro meses para o ex-presidente Fernando Henrique ir para Washington escrever um livro? De quanto é a bolsa? Comitê de ética Não se trata de picuinha política nem de cobrança de fato irrelevante. Saído da Presidência, Fernando Henrique é um cidadão como outro qualquer.
Para receber um polpudo e privilegiado financiamento do governo, é preciso que a decisão oficial esteja calcada na ética e cercada de toda legalidade.
Onde está o diligente Comitê de Ética do Planalto, que, no caso da ministra Benedita, agiu a galope? É ou não é, esse, um caso de ética pública? Houve licitação? Por que a bolsa foi dada a ele e não a outro ou a outros? O PSDB certamente virá dizendo que é "uma honra" para a Biblioteca Nacional e o Ministério da Cultura financiarem o livro de um intelectual do estofo e do prestígio internacional de Fernando Henrique.
ele merece todos os encômios. Mas, para receber dinheiro público, tem que ser na lei.
E qual foi o trâmite burocrático, legal, dessa opípara prebenda? Rico e guloso Não se as razões da bolsa, não sei o valor da bolsa.
Mas se há um brasileiro que, direta ou indiretamente, já embolsa todos os dinheiros públicos possíveis, é Fernando Henrique.
Pagar-lhe a mais uma bolsa é um escárnio. Ele já recebe uma aposentadoria plena por apenas doze anos (de 52 ao golpe de 64) de professor na Universidade de São Paulo.
Recebe mais uma aposentadoria por doze anos (de 82 a 94) de senador
E recebe uma terceira aposentadoria de ex-presidente da República. Todas corretas e legais. Somadas, as três devem ultrapassar o teto máximo constitucional de R$ 17.700 fixado pela reforma da Previdência e, como tal, receberão corte.
Mas isso não é problema para o ex-presidente, que os amigos dizem estar "confortavelmente rico", a ponto de haver comprado, há pouco, o luxuoso apartamento de mais de R$ 1 milhão de um banqueiro de São Paulo.
Como todo ex-presidente, Fernando Henrique tem ainda os motoristas e assessores permanentes, pagos com verbas públicas.
Eram quatro, e antes de deixar o governo ele aumentou para seis, com salários de até R$ 8 mil. Não pode dizer que a Pátria não lhe tem sido generosa.
Santander-Banespa Além de tudo isso, que a Pátria lhe dá, FHC tem a fundação que criou e dirige, com sede portentosa e mais de R$ 10 milhões em doações e contribuições do grande empresariado paulista. Sem falar na fiel e gratificada generosidade do grupo espanhol Santander, a quem ele doou a jóia da coroa paulista, o Banespa, e que agora financia suas palestras pela Europa.
E há mais. A ONU o fez conselheiro especial. Deve pagar-lhe, de algum modo, alguma coisa.
E o Grupo Polanco, dono do jornal espanhol "El Pais", monopolista do livro didático na Europa e Américas e sócio dos bancos Santander e Banespa, também o nomeou membro de seu Conselho Diretor. Sempre pinga mais uma grana. Mas, até aí, embora oblíquas, são as coisas legais. O que é totalmente nebuloso e até agora inexplicado é a deficitária, quase mendiga, Biblioteca Nacional, sem dinheiro sequer para modernizar, informatizar o acesso aos jornais antigos, ainda hoje feito pelo processo medieval de pequenas roldanas manuais, o financiar em Washington.
Mesmo que ele estivesse escrevendo uma nova Bíblia ou um novo "Capital", o governo que massacrou Benedita tem que dizer como é isso

1 Comentários:

  • terça-feira, 13 setembro, 2005
    BSUID=1 Disse:

    We work like a horse.
    We eat like a pig.
    We like to play chicken.
    You can get someone's goat.
    We can be as slippery as a snake.
    We get dog tired.
    We can be as quiet as a mouse.
    We can be as quick as a cat.
    Some of us are as strong as an ox.
    People try to buffalo others.
    Some are as ugly as a toad.
    We can be as gentle as a lamb.
    Sometimes we are as happy as a lark.
    Some of us drink like a fish.
    We can be as proud as a peacock.
    A few of us are as hairy as a gorilla.
    You can get a frog in your throat.
    We can be a lone wolf.
    But I'm having a whale of a time!

    You have a riveting web log
    and undoubtedly must have
    atypical & quiescent potential
    for your intended readership.
    May I suggest that you do
    everything in your power to
    honor your encyclopedic/omniscient
    Designer/Architect as well
    as your revering audience.
    As soon as we acknowledge
    this Supreme Designer/Architect,
    Who has erected the beauteous
    fabric of the universe, our minds
    must necessarily be ravished with
    wonder at this infinate goodness,
    wisdom and power.


    Please remember to never
    restrict anyone's opportunities
    for ascertaining uninterrupted
    existence for their quintessence.

    There is a time for everything,
    a season for every activity
    under heaven. A time to be
    born and a time to die. A
    time to plant and a time to
    harvest. A time to kill and
    a time to heal. A time to
    tear down and a time to
    rebuild. A time to cry and
    a time to laugh. A time to
    grieve and a time to dance.
    A time to scatter stones
    and a time to gather stones.
    A time to embrace and a
    time to turn away. A time to
    search and a time to lose.
    A time to keep and a time to
    throw away. A time to tear
    and a time to mend. A time
    to be quiet and a time to
    speak up. A time to love
    and a time to hate. A time
    for war and a time for peace.


    Best wishes for continued ascendancy,
    Dr. Howdy

    'Thought & Humor'

    P.S. One thing of which I am sure is
    that the common culture of my youth
    is gone for good. It was hollowed out
    by the rise of ethnic "identity politics,"
    then splintered beyond hope of repair
    by the emergence of the web-based
    technologies that so maximized and
    facilitated cultural choice as to make
    the broad-based offerings of the old
    mass media look bland and unchallenging
    by comparison."

    delete

Postar um comentário

 

Consciência Política Copyright © 2011 -- Template created by Consciência Política --